Tóquio-2020

Em live, Caixa confirma patrocínio à Confederação Brasileira de Ginástica

por Redação
A
A

Com uma transmissão ao vivo ancorada pelo presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, o banco estatal confirmou a renovação do patrocínio à Confederação Brasileira de Ginástica pelos próximos quatro anos por um valor de R$ 30 milhões, como antecipou a Máquina do Esporte.

O patrocínio envolve o aporte a todas as modalidades abraçadas pela CBG e terá, excepcionalmente, a cobertura de duas edições de Jogos Olímpicos, já que Tóquio 2020 foi adiado para este ano. O aporte envolverá a marca das Loterias Caixa, como ressaltou Guimarães durante a live, que contou com a participação do Secretário Nacional de Esportes, Marcelo Magalhães, e atletas da ginástica brasileira.

“A Caixa reforça o apoio institucional ao esporte brasileiro. Fico muito feliz que tenhamos chegado a uma questão matemática e ao mesmo tempo de inclusão que proporcionou a renovação do contrato. A ginástica foi o primeiro esporte que teve o contrato renovado porque foi o esporte em que encontramos a equipe mais profissional, em que encontramos todo o feedback matemático para a renovação”, disse o presidente, que ressaltou que um executivo do banco deverá ser deslocado para acompanhar os atletas brasileiros durante os Jogos de Tóquio.

publicidade
Pedro Guimarães, presidente da Caixa, apresenta números do patrocínio à CBG para o próximo ciclo olímpico
Reprodução
Pedro Guimarães, presidente da Caixa, apresenta números do patrocínio à CBG para o próximo ciclo olímpico
publicidade

O evento também serviu para que Marcelo Magalhães, principal pessoa na hierarquia do esporte dentro do governo nacional, reforçasse o comprometimento federal com as modalidades esportivas.

“Com esse patrocínio, a gente acaba desconstruindo algumas narrativas de que o governo Bolsonaro não apoia mais o esporte, de que as estatais do governo Bolsonaro abandonaram o esporte. Tem que se fazer uma matemática para a conta fechar. É um mérito da ginástica”, declarou Magalhães, que também adiantou que o Brasil receberá, em 2022, três etapas da Copa do Mundo de ginástica, num esforço para ampliar a realização de eventos de alto rendimento no país.

A ginástica foi a primeira das três entidades patrocinadas pela Caixa a ter o contrato renovado para mais um ciclo olímpico. Atletismo e Comitê Paralímpico Brasileiro discutem atualmente a manutenção do vínculo. Dos dois, o movimento paralímpico está mais próximo de uma renovação, como frisou Pedro Guimarães durante a live.

De acordo com o presidente da estatal, que foi nadador profissional, os investimentos na ginástica, porém, tendem a ficar maiores com o tempo. A tendência, porém, é que esses aportes envolvam o trabalho de formação de atletas, uma das premissas da atual diretoria da Caixa.

publicidade
publicidade