Tóquio 2020

Às vésperas de Tóquio 2020, COB cria Hall da Fama Digital

por Redação
A
A
Hall da Fama Digital será página virtual de referência dedicada especialmente à memória do esporte olímpico brasileiro
Reprodução
Hall da Fama Digital será página virtual de referência dedicada especialmente à memória do esporte olímpico brasileiro
publicidade

O Comitê Olímpico do Brasil anunciou, nesta terça-feira (8), a criação de uma página virtual de referência dedicada especialmente à memória do esporte olímpico brasileiro, uma espécie de Hall da Fama Digital. A data do lançamento da novidade foi escolhida de propósito, uma vez que o COB completou 107 anos neste 8 de junho.

Disponível no portal do COB, o novo espaço contará com perfis detalhados de atletas históricos do país, com grande acervo de fotos e vídeos conseguidos juntos ao Comitê Olímpico Internacional (COI) e às Confederações Brasileiras, além de arquivos pessoais e de jornais e TVs que cobriram os principais eventos na época em que atuavam.

Até o momento, o Hall da Fama Digital já conta com 13 homenageados. No espaço, os fãs e torcedores poderão deixar mensagens para os ídolos. O objetivo é manter uma biografia completa dos homenageados e, assim, promover o espírito e os esportes olímpicos no país.

“Convido a todos a visitar e se deliciar com as grandes histórias dos maiores nomes do esporte olímpico do Brasil. Trabalhamos muito para que este espaço seja não apenas uma fonte de informação, mas também uma fonte de inspiração para todos nós que amamos e vivemos esporte. O projeto do Hall da Fama foi criado pelo COB para reconhecer grandes atletas brasileiros que construíram, com muito sacrifício, uma tradição de medalhas olímpicas que temos hoje. A conquista de uma medalha era muito difícil. Hoje, o Brasil já vai para os Jogos com uma expectativa maior. Isso só foi possível com a participação de grandes atletas que deixaram um grande legado”, declarou Rogério Sampaio, ouro no judô em Barcelona 1992 e atual diretor geral do COB.

publicidade

Criado pela entidade em 2018, o Hall da Fama tem como objetivo reconhecer e valorizar a trajetória dos nossos heróis olímpicos. O projeto foi lançado durante a 20ª edição do Prêmio Brasil Olímpico (PBO), que teve como lema “celebrar o passado, inspirar o presente e conquistar o futuro”.

Desde então, diversos atletas deixaram suas marcas (pés ou mãos) eternizadas, enquanto alguns esperam o término da pandemia para serem homenageados. Os 13 que já possuem perfis no Hall Digital são Sylvio Padilha, João do Pulo, Joaquim Cruz e Vanderlei Cordeiro de Lima (atletismo); Guilherme Paraense (tiro esportivo); Chiaki Ishii (judô); Maria Lenk (natação); Torben Grael (vela); Hortência (basquete); Jaqueline Silva e Sandra Pires (vôlei de praia); e Bernardinho e José Roberto Guimarães (vôlei).

De acordo com o COB, o projeto agora parte para o próximo passo, que será a criação de um espaço físico onde as homenagens estarão à mostra. A ideia é que o local seja no Centro de Treinamento Time Brasil, no Rio de Janeiro, em um espaço aberto à visitação pública, com um mural onde os moldes das mãos ou pés dos homenageados ficarão disponíveis. Todos terão um QR Code que levará os visitantes à página do homenageado no portal, tornando, assim, a experiência imersiva e diferenciada.

“O Hall da Fama visa ocupar uma lacuna de reconhecimento e valorização de ídolos do esporte do país. Nosso objetivo é ressaltar os feitos e glórias dos grandes atletas e treinadores brasileiros. Os homenageados até agora representam uma grande variedade de modalidades e diferentes épocas do esporte brasileiro, o que garante aos fãs e curiosos que acessarem o espaço uma deliciosa viagem na história do Olimpismo no Brasil”, concluiu Paulo Wanderley, presidente da COB.

publicidade