Opinião

Opinião: Por que não podemos ignorar o torcedor?

por Fernando Fleury - especial para a Máquina do Esporte
A
A
Opinião: Por que não podemos ignorar o torcedor?
Crédito: Reprodução
publicidade

Depois de uma longa abstinência dos gramados da escrita, aceitei o convite da Máquina do Esporte para voltar a escrever. Como tudo que se inicia de novo, sempre dá aquele frio na barriga. Colocar ideias no papel é sempre mais difícil do que falar, ao menos para mim. Admiro muito aqueles que têm facilidade para isso.

Para essa primeira coluna, trouxe para o debate um tema que faz parte do meu dia a dia. Comportamento humano. Decodificar o comportamento do fã de esporte é um dos maiores desafios enfrentados pelos profissionais de marketing. Uma das razões para isso é que o comportamento está sempre em constante evolução. Assim, o futuro da pesquisa do comportamento do fã de esporte é questionado pelos avanços na ciência de dados.

Porém, embora os torcedores estejam o tempo todo expostos a novas tecnologias, tendências como reconhecimento facial, inteligência artificial e tecnologia de voz não avançaram tão rapidamente quanto previsto. Assim, a inteligência de marketing ganhou uma parcela significativa dos holofotes. O auxílio da ciência de dados, interligada ao marketing, vem permitindo melhor compreensão, modelagem e previsão do comportamento dos diversos tipos de fãs de esporte.

Assim, fica evidente que as entidades esportivas que ainda enxergam o marketing como áreas comerciais tendem a ficar para trás no tabuleiro da indústria do mercado do esporte, ou pior ainda, do entretenimento.

publicidade

Na era da superexposição digital, o marketing não pode acontecer de forma isolada. É necessário um entendimento mais profundo do comportamento de todos os segmentos de torcedores. Cientistas de dados, analistas e profissionais de marketing precisam trabalhar juntos para aumentar a lealdade do torcedor, o poder de consumo, melhorar a capacidade de previsão de seus modelos e a eficácia de seus gastos com marketing e comunicação. Só assim é possível melhorar a captação de patrocínios por meio da área de vendas, ampliando o escopo por meio de estratégias de ROO/ROI.

A integração eficiente dos dados do comportamento nas estratégias de marketing pode ajudar as entidades esportivas a melhorar sua abordagem para atrair e conquistar os diversos e dinâmicos segmentos de fãs e retê-los. É aqui que começa o jogo chamado de “fan engagement”, que vai muito além de like e coração nas redes sociais. Estamos falando de entender que o consumo continua a mudar com os avanços tecnológicos e a afetar mudanças nos valores e objetivos dos consumidores.

O torcedor precisa ser visto como a principal determinante do sucesso de qualquer clube ou entidade esportiva. Sem ele, não existiria esporte. No fundo, todos nós trabalhamos para eles. A necessidade de uma compreensão profunda e objetiva dessa massa, em termos do que se passa em suas mentes e corações, como se comportam e agem quando tomam decisões de compra complexas ou simples, não pode ser superestimada e muito menos ignorada.

Fernando Fleury é fundador da Armatore Market + Science

Interja com o colunista no Twitter: @sportmktscience

publicidade

CBAt fecha com Prevent Senior até 2025