Opinião

Opinião: O boxe, as bolsas milionárias e um card de "Pokémon"

por Samy Vaisman
A
A

Não, não estou maluco, embora juntar boxe e "Pokémon" na mesma frase soa bem estranho. Há três semanas, nessa "nova moda" de lutas de exibição com "lendas" da nobre arte e youtubers, Floyd Mayweather e Logan Paul se enfrentaram no Hard Rock de Miami, em um evento cercado por fanfarronices e pirotecnia.

Mas era para ser assim mesmo, afinal, por qual motivo o já aposentado - e fanfarrão - Mayweather, ex-campeão mundial de cinco divisões do boxe, mediria forças com o youtuber - e fanfarrão - Logan Paul? Entretenimento, claro, e bolsas milionárias, óbvio.

Mas aí você vai se perguntar: e o "card de Pokémon" do título? Onde entra nessa história? Não sou da "Geração Pokémon", nunca saí correndo por aí atrás dos monstrinhos de bolso com o celular, nunca tive uma carta deles, mas não é preciso ser um especialista no assunto para saber o tamanho que essa "brincadeira" alcançou em popularidade e, é claro, financeiramente.

publicidade
Opinião: O boxe, as bolsas milionárias e um card de "Pokémon"
publicidade

O que eu não sabia é o quanto valem determinados cards e que a disputa por eles são é só no ringue, mas também já provocou brigas (e não é força de expressão) dentro de lojas nos Estados Unidos.

A rede Target suspendeu vendas de cards em suas lojas físicas após colecionadores de "Pokémon" se envolverem em uma briga violenta no estacionamento de uma de suas unidades em Milwaukee (Wisconsin) que teve até tiro para o alto e sete pessoas presas.

Aqui o link da matéria que fala da confusão que aconteceu no mês passado. Agora, compras de cards na Target, só on-line. Todo esse contexto para chegar ao tema desta coluna: colecionismo e memorabília. Claro, "Pokémon" não é um item esportivo, mas é aí que eu volto em Logan Paul para falar de esportes.

Antes da "luta" contra Mayweather, Paul subiu ao ringue com um cordão que "ostentava" um card holográfico extremamente raro de "Pokémon" (Charizard BGS 10, e só sei o nome porque pesquisei mesmo), adquirido por US$ 150 mil (algo perto de R$ 750 mil) e que, atualmente, é avaliado em US$ 250 mil (aproximadamente US$ 1,250 milhão). Só existem três deste card no mundo.

Paul é um dos maiores youtubers do mundo com mais de 23 milhões de inscritos em seu canal oficial, um boxeador... bem, não dá para dizer que é um boxeador, mas dá, sim, para dizer que é um colecionador de elite. Só neste ano, ele já gastou mais de US$ 2 milhões em caixas e cards "Pokémon" (mais de R$ 10 milhões).

Pela luta contra Mayweather, Logan recebeu uma bolsa de US$ 250 mil e mais singelos US$ 10 milhões pelo acordo na venda de assinaturas do pay-per-view.

Não é difícil imaginar o que ele deve fazer com esse dinheiro...

publicidade
Opinião: O boxe, as bolsas milionárias e um card de "Pokémon"
publicidade

Casa da Moeda do Brasil homenageia história do esporte nacional

A Casa da Moeda do Brasil, em parceria com a Memorabília do Esporte, lançou a coleção "Grandes Ídolos do Esporte" no mês passado. Uma coleção que traz séries de medalhas em tributo a ídolos do esporte brasileiro. Nomes como Robert Scheidt, Maria Esther Bueno, Rodrigo Pessoa, Daniel Dias, Hortência e muitos outros serão eternizados em medalhas de prata, bronze dourado, bronze e cuproníquel. As medalhas já estão à venda neste link.

Samy Vaisman é fundador da MPC Rio Comunicação e escreve mensalmente na Máquina do Esporte

publicidade