Opinião

Opinião: #MISMAPASIÓN - A viralização do bem contra o machismo no futebol

por Mônica Esperidião, especial para a Máquina do Esporte
A
A

No começo deste mês, quando todos os Madridistas comemoravam os gols do 1o tempo sobre o Liverpool na tão desejada Champions League, o clube publicou uma foto dos dois marcadores da partida, Marco Asensio e o brasileiro Vinícius Jr., no Twitter com a frase “¡Pasión Blanca!¨.

publicidade
Opinião: #MISMAPASIÓN - A viralização do bem contra o machismo no futebol
publicidade

Logo em seguida, como se pode ver pelos horários dos posts, a goleira do time feminino do Real Madrid, María Isabel Rodríguez, conhecida como Misa, publicou a mesma foto de Marco Asensio comemorando o gol puxando a idolatrada camisa branca ao lado de uma foto sua muito similar, em que ela também puxa a camisa do clube que defende com a mesma voracidade. No texto do post escreveu: ¨Misma pasión'' e marcou os perfis das equipes masculina e feminina do Real Madrid CF.

publicidade
Opinião: #MISMAPASIÓN - A viralização do bem contra o machismo no futebol
publicidade

O tweet de Misa claramente exprimia felicidade, paixão, um sentimento que nem cabia na própria “camisa branca”, a ponto de ambos terem vontade de arrancá-la.

Mas, imediatamente, Misa começou a receber respostas de pessoas que não tinham este mesmo sentimento ao seu tweet. Respostas típicas de pessoas machistas, mas que fizeram a goleira se sentir envergonhada e humilhada, a ponto dela apagar seu post. Afinal, para que ficar vendo tanto desprezo na sua timeline...eu sinceramente não sei o que faria! 😡

publicidade
Opinião: #MISMAPASIÓN - A viralização do bem contra o machismo no futebol
publicidade

Felizmente, o ser humano está em plena evolução e o comportamento desprezível de uma minoria foi imediatamente calado por um avalanche de tweets de apoio a Misa, incentivada pelo próprio Marco Asensio, que publicou:

publicidade
Opinião: #MISMAPASIÓN - A viralização do bem contra o machismo no futebol
publicidade

Pronto, ali foi dada a largada aos inúmeros tweets, que começaram a chover na rede social. Os primeiros foram dos demais jogadores do Real Madrid, como nossos craques Marcelo, Casemiro e Vinicius Junior. Também participaram, outras grandes estrelas do clube, não só do futebol, mas também do basquete, que é a outra única modalidade em que o clube também tem equipe no profissional masculino.

publicidade
Opinião: #MISMAPASIÓN - A viralização do bem contra o machismo no futebol
publicidade

Além deles, as fronteiras madrilenhas foram atravessadas e equipes rivais também se manifestaram, como o próprio do arqui-rival FC Barcelona, ou mesmo o Bayern de Munique e nossos hermanos Boca Junior e River Plate. Não poderiam ficar de fora o próprio perfil da RFEF (Real Federação Espanhol de Futebol) e outras entidades, como o COE (Comitê Olímpico Espanhol), cada um mostrando a similaridade de cenas tão apaixonantes do maior esporte do mundo, seja jogada por mulheres ou por homens.

publicidade
Opinião: #MISMAPASIÓN - A viralização do bem contra o machismo no futebol
publicidade

Outras modalidades, também demonstraram seu apoio, como equipes de rúgbi, futsal, basquete, alcançando também quem está fora das 4 linhas, como treinadores e treinadoras, jornalistas e gestores do esporte. Nós mesmos, pela plataforma LWF, fizemos nossa contribuição por meio da foto de Fatma Samoura, secretária geral da FIFA e o presidente Gianni Infantino, já que, considerando o propósito pelo qual trabalhamos, não poderíamos ficar de fora. Afinal foi um movimento genuinamente criado pelo combate ao ódio, em que o uso do senso de humor demonstra inteligência e a resposta perfeita para desbloquear situações tão complexas.

publicidade
Opinião: #MISMAPASIÓN - A viralização do bem contra o machismo no futebol
publicidade

Mas... Como toda onda de boas intenções, sabemos que não faltariam aqueles que tentariam puxar a sardinha pro seu lado. Importante é que esteja claro para o espectador que qualquer boa causa pode até ser apropriada por qualquer pessoa, empresa, clube, entidade, mas isso não pode diminuir sua origem e motivo.

Então, no dia seguinte da enxurrada de tweets #mismapasión, a Espanha amanheceu com o assunto nas capas de um dos principais jornais esportivos aqui da Espanha, o jornal Marca. Porém, foi o ÚNICO!

publicidade
Opinião: #MISMAPASIÓN - A viralização do bem contra o machismo no futebol
publicidade

Confesso que acordei no dia seguinte com o paradoxo da metade do copo cheio / metade do copo vazio.

Começo pela metade do copo vazio: parece que infelizmente para a mídia tradicional este caso não é tão relevante como, muitas vezes vemos, a exposição da vida pessoal dos jogadores. Que sempre se justifica com a velha desculpa: Isso é o que vende!

Ainda nessa metade do copo, e as marcas que patrocinam o futebol feminino, o clube e esse entorno que tanto temos visto evoluir, algum post? Como o da Heineken apoiando a UEFA contra a criação da Superliga Europeia de Futebol?

Agora tratando da metade em que prefiro me apoiar, a metade cheia desse copo: que bom que hoje existem as redes sociais... Conversei com Carlota Planas, co-fundadora e CMO da Unik Sports Management, agência que gerencia a carreira da María Isabel Rodríguez e ela me compartilhou números incríveis para algo que aconteceu de forma espontânea:

    ● 1,9 milhões de interações

    ● 8 milhões de impressões

    ● Alcance potencial de simplesmente 27,5 milhões de pessoas

Olhando para estes números, penso no quanto, hoje, as redes sociais permitem que as pessoas tenham acesso a casos como este e também senti uma felicidade ao ver um avanço da nossa sociedade em se manifestar, incluindo, com orgulho, a atitude dos próprios jogadores, que deram voz e pontapé inicial a um bonito movimento.

Por fim, fica minha reflexão, independentemente se esse Madridismo* foi sentido por homens ou mulheres, sem duplo sentido, sem maiores explicações, sem política, sem sexo, sem querer dizer mais nada. Não valeria um escândalo como este estar em mais capas de jornais e ser assunto do Fantástico de domingo?

*Significado de Madridismo: ato de amor de jogadores, profissionais e torcedores do Real Madrid CF.

Mônica Esperidião Hasenclever, é CMO da Leadership Woman Football e Diretora da LWF Academy, plataforma que tem como objetivo promover a liderança e a visibilidade da mulher no esporte, abrangendo todos os âmbitos e áreas de esporte, e escreve mensalmente na Máquina do Esporte.

publicidade