Opinião

Opinião: Como captar patrocínio no esporte feminino

por Júlia Vergueiro, especial para a Máquina do Esporte
A
A

Captação de patrocínio é um dos temas pelos quais eu mais sou procurada dentro do universo esportivo feminino. Como estruturar a apresentação? Como conseguir um contato quente e agendar uma reunião? Quais contrapartidas devo oferecer? É recorrente nos depararmos com notícias sobre contratos estabelecidos, mas poucas vezes conseguimos saber os detalhes de como se deu a negociação ou quais argumentos foram decisivos para convencer a outra parte.

Estou longe de ser uma especialista no assunto e até por isso acredito menos na busca de uma fórmula mágica e mais na troca de experiências reais – conhecer a fundo o caminho percorrido por certa entidade para conseguir um patrocínio ou parceria tem me ajudado muito a formular minhas próprias estratégias. E é por isso que hoje escolhi compartilhar os detalhes de um case de sucesso do qual me orgulho muito: nossa parceria com a Turma da Mônica, uma das marcas mais famosas e amadas do Brasil.

Diferente do que muitos pensam, eu ainda não tinha o projeto do Soccer Camp desenhado quando tive minha primeira conversa com a Mauricio de Sousa Produções. Não cheguei lá com um evento pronto e um slide de cotas de patrocínio. Cheguei lá com um propósito com o qual eu já sabia que eles iriam se identificar: o protagonismo das meninas.

publicidade
Mônica Sousa abraçou dentro da Mauricio de Sousa Produções o projeto Donas da Rua
Divulgação
Mônica Sousa abraçou dentro da Mauricio de Sousa Produções o projeto Donas da Rua
publicidade

A empresa tinha histórico em realizar ou apoiar eventos esportivos femininos? Não. Já havia retratado alguma atleta mulher dentro dos seus quadrinhos? Não que eu soubesse. Responder a essas perguntas me ajudou a concluir que, se marca não tinha o esporte feminino como um atributo relevante para o seu negócio, esse não deveria ser o tema principal da minha abordagem. Mas então como encontrar um assunto em comum? Fui pesquisar.

Quando fui trainee no Itaú, na área de sustentabilidade, passei algumas semanas imersa na seguradora. Diante de um universo completamente novo, comecei a procurar vertentes familiares a fim de encontrar uma forma de contribuir. Sou formada em Relações Internacionais, e logo descobri que a ONU possuía um braço de atuação dedicado às instituições financeiras, a UNEP FI, órgão responsável pela criação de um compromisso voluntário ao qual seguradoras do mundo inteiro estavam aderindo, os Principles for Sustainable Insurance (Os Princípios para Sustentabilidade em Seguros). Foi questão de meses para conseguirmos que a Itaú Seguros também se tornasse signatária e passasse então a estar publicamente comprometida com as questões ESG dentro do dia a dia do seu negócio.

publicidade
Opinião: Como captar patrocínio no esporte feminino
publicidade

Mas, Júlia, o que isso tem a ver com futebol e Turma da Mônica? Foi com esse mesmo raciocínio de encontrar um assunto familiar dentro de um universo de novidades que descobri que a Mauricio de Sousa Produções havia, lá em 2016, recém-aderido a um outro compromisso voluntário – os Women's Empowerment Principles (Princípios de Empoderamento das Mulheres), criados pela ONU Mulheres, e que hoje já foi assinado por mais de 500 empresas brasileiras. Era a minha chance.

Cheguei à sala do Chico Bento e aguardei pela Mônica Sousa. Poucos dias antes da nossa reunião, a mesma Mônica havia participado de um workshop da ONU Mulheres, junto com a equipe de roteiristas – era o primeiro passo que o projeto Donas da Rua havia dado para cumprir com os Princípios e iniciar uma reformulação nos roteiros que de alguma forma ainda reforçavam os estereótipos de gênero. A ONU e o protagonismo feminino estavam frescos na cabeça dela e eu percebi isso assim que cheguei ao que seria o slide decisivo daquela apresentação: os resultados da pesquisa da ONU Mulheres sobre o abandono da prática esportiva por meninas ao redor do mundo.

Dali em diante, eu já não precisaria me preocupar com o convencimento. Estávamos claramente alinhadas quanto à relevância do desafio e à necessidade e urgência de resolvê-lo. A forma como faríamos isso era assunto para as próximas reuniões. Naquele dia, nos conectamos pela causa e decidimos que trabalharíamos juntas para promovê-la.

Desde então, já foram 7 edições do Soccer Camp Donas da Rua, com mais de 400 meninas participantes, promovendo o protagonismo feminino no esporte, conectando e valorizando treinadoras mulheres, dando visibilidade às jogadoras brasileiras e inspirando as futuras gerações.

Júlia Vergueiro é sócia e presidente do Pelado Real Futebol Clube, fundadora da Nossa Arena e escreve mensalmente na Máquina do Esporte

publicidade