Opinião

Esporte passa vergonha durante a pandemia

por Duda Lopes
A
A

Uma pequena volta por São Paulo já é o suficiente para comprovar algo que tem sido noticiado nos grandes veículos: o paulistano, assim como a maioria dos brasileiros, tem ignorado a alta do Covid. Bares lotados e máscaras de lado parecem dar uma estranha definição do que seria o "novo normal". O problema é que, além da população, muitos outros segmentos têm seguido a mesma estratégia. Entre eles, o esporte.

A ser ressaltado: o Brasil registrou no domingo o décimo dia seguido com tendência de alta no número de mortes por Covid-19. A previsão é voltar a ter 700 óbitos diários, número que era visto em setembro. No Rio de Janeiro, a ocupação em UTI da rede pública já passa dos 90%, como nos piores dias.

E não é só no Brasil. Nos Estados Unidos, foi registrado mais uma vez o número de 3 mil mortes na última sexta-feira (11). É uma situação numericamente mais grave que a primeira onda da doença no país, entre março e abril deste ano.

O que faz o mundo do esporte? Um torneio de surfe na América! A WSL (leia mais aqui) não teve constrangimento de começar uma temporada no país para, após poucos dias, ter que suspender tudo. Se não pôde ter evento ao longo do ano, o que mudou agora?

publicidade

E está longe de ser uma exceção. No Brasil, por exemplo, o NBB resolveu colocar a bola na quadra, após ter coragem para cancelar a última temporada. Mas o Covid permanece forte, e os problemas continuaram a acontecer. No domingo, a equipe do Corinthians pediu o adiamento de jogos porque registrou oito atletas com o vírus. Não foram atendidos, e o clube paulista já afirmou que não entra em quadra. 


Ao longo do ano, de maneira geral, o esporte teve um papel completamente ridículo frente à pandemia. Da surreal insistência do COI pela manutenção dos Jogos Olímpicos em 2020 ao patético posicionamento de entidades do Rio de Janeiro pelo retorno de público nos estádios, o segmento perdeu poucas oportunidades de se mostrar alheio às milhares de mortes.


O argumento é sempre financeiro, como se questões éticas sobre a saúde pública não valessem nada. Mas, se é para ficar nessa linha, vale a lembrança que, em termos de imagem, esporte reforça valores relativos à saúde, à união, à integridade. Provavelmente, todos sairão imunes dessa porque uma parcela considerável da sociedade também ignora o Covid. Mas é uma vergonha.

publicidade
Estádio é desinfetado antes de partida.
Fonte: Reprodução
Estádio é desinfetado antes de partida.
publicidade