Futebol

PPV do Carioca dará 53% da receita para os clubes

por Erich Beting
A
A
Na proposta apresentada pela Sportsview, a venda do pay-per-view deve ficar próxima de R$ 40 milhões.
Crédito: Reprodução
Na proposta apresentada pela Sportsview, a venda do pay-per-view deve ficar próxima de R$ 40 milhões.
publicidade

A venda de pacotes de pay-per-view será, nos bastidores, a principal novidade do Campeonato Carioca de 2021. Principal motivo para a ruptura entre Flamengo e Globo em 2020, a venda de pacotes para a transmissão de jogos é a grande aposta da Ferj, dos clubes e da Sportsview, agência responsável pela comercialização dos direitos de mídia do torneio, para que o faturamento com direitos de mídia fique próximo da proposta feita pelo Grupo Globo.

Na proposta apresentada pela Sportsview, a venda do pay-per-view deve ficar próxima de R$ 40 milhões. Para isso, a agência aposta no modelo de distribuição que foi criado. Claro, Sky e Vivo vão comercializar pacotes para o público, tanto na TV por assinatura quanto no telefone celular.

Além da maior capilaridade de distribuição, a mudança no modelo de divisão de receitas é outro trunfo para os clubes. As operadoras vão repassar 53% da arrecadação bruta com o PPV. No modelo que os times têm com a Globo para o Campeonato Brasileiro, 38% do valor arrecadado é redirecionado para os times. O restante é dividido entre as operadoras e a emissora.

publicidade

Outro argumento que pesou a favor do projeto apresentado pela Sportsview foi o fato de os clubes poderem ofertar a venda de jogos dentro de seus próprios canais. Segundo o Blog do Rodrigo Mattos, a receita gerada pelo PPV será distribuída conforme a venda realizada por time, sem um percentual pré-definido por clube. Isso seduziu principalmente o Flamengo para aceitar o novo modelo.

A Globo havia proposto aos clubes um pagamento fixo de R$ 45 milhões pelos direitos do Carioca e o fim da briga judicial entre Ferj e emissora, iniciada após a quebra do contrato que estava vigente em 2020 e iria até este ano.

A briga judicial começou quando a MP 984 foi usada pelo Flamengo, único clube que não havia assinado com a emissora, para transmitir seus jogos como mandante em outros meios. A Globo se irritou com a postura da Ferj, que não defendeu a manutenção do contrato vigente.

publicidade