Futebol

Patrocinadores de Neymar silenciam em meio a polêmica festa

por Redação
A
A

Em meio a uma péssima repercussão mundial sobre a organização de uma "rave" de fim de ano, os principais patrocinadores de Neymar decidiram se calar para evitar uma polêmica ainda maior sobre o caso.


No último dia 21 de dezembro, o colunista Ancelmo Gois, de O Globo, revelou que Neymar preparava uma festa de Reveillón com cinco dias de duração para cerca de 500 pessoas. A repercussão em torno do evento começou no dia 26, quando começaram a surgir relatos de insatisfação de donos de casa no mesmo condomínio onde aconteceria o evento, que jocosamente foi apelidado de "Neymarpalooza".

publicidade

Por meio de sua assessoria de imprensa, Neymar negou realizar tal evento. O problema, a essa altura, é que diversas fotos com mulheres ostentando uma pulseira que servia de identificação para entrar na festa começaram a ser postadas nas redes sociais. Na segunda-feira (28), a agência Fábrica, contratada para organizar o evento, não citou Neymar, mas informou que a festa era, na verdade, para 150 pessoas, e que havia um protocolo de segurança a ser seguido para os convidados.

Enquanto isso, Neymar tem feito alguns posts no Instagram tentando mostrar uma rotina "caseira" durante esse período. Na última noite, ele postou uma imagem de uma mesa de pôquer, marcando o perfil da Pokerstars.net, com quem renovou contrato recentemente. Ao fundo, ouvia-se diversas pessoas e música tocando.

Puma, um dos principais patrocinadores do jogador do PSG, preferiu não comentar sobre o caso, até porque não há uma confirmação de que o evento de fato seria organizado pelo atleta. Em nota, a Red Bull disse: "A Red Bull não promove eventos que possam violar os protocolos determinados pelas autoridades competentes". O PSG também não emitiu qualquer nota sobre o tema. Até agora, o prejuízo de Neymar é apenas para a sua imagem. 

publicidade
Neymar promove festa para 150 pessoas enquanto os números de casos de Covid-19 aumentam.
Fonte: Reprodução / Redes Sociais
Neymar promove festa para 150 pessoas enquanto os números de casos de Covid-19 aumentam.
publicidade

Na Europa, os principais jornais esportivos destacaram a "insensibilidade" do jogador de realizar um evento com aglomeração de pessoas em plena segunda onda de contaminação com o coronavírus e quase mil mortes diárias só no Brasil. Jornalistas brasileiros também criticaram a postura do atleta.

A repercussão negativa do caso faz com que Neymar tenha a imagem prejudicada depois de um ano "quase perfeito", em que o jogador liderou o PSG à inédita final da Champions League no retorno do futebol europeu após a pausa provocada pela pandemia, em agosto. Na ocasião, Neymar havia passado "limpo" de polêmicas durante os quase dois meses em que ficou isolado em sua casa em Mangaratiba (RJ) quando a França já passava pelo primeiro lockdown por conta da pandemia.

Agora, o "Neymarpalooza" pode causar um novo dano à imagem do jogador, justamente num período em que ele vinha sendo elogiado por ter amadurecido. Há algumas semanas, ele foi um dos líderes da inédita decisão de os jogadores PSG e Istanbul se retirarem de campo após o quarto árbitro da partida referir-se de forma preconceituosa ao auxiliar técnico do time turco, Pierre Webó. Junto com Mbappé, seu companheiro no PSG, Neymar liderou a saída dos atletas e o adiamento da partida.

publicidade