Futebol

Futebol inicia pressão por nova paralisação

por Redação
A
A

“Presidente Caboclo, pelo amor de Deus, Juninho Paulista, Tite, Cléber Xavier, as autoridades, nós estamos apavorados, pelo amor de Deus”. A declaração forte dada pelo técnico do América -MG, Lisca, ao vivo no Premiere, foi usada por programas esportivos ao longo desta quinta-feira (4). O treinador está inconformado com a manutenção da Copa do Brasil em meio à pandemia e colocou combustível nos pedidos por uma nova paralisação do futebol.

E o pedido começa a encontrar eco dentro dos gramados. Ao jornal “Folha de S.Paulo”, o presidente do Santos, Andres Rueda, foi um dos primeiros representantes entre os grandes clubes a se manifestar nessa direção.

“O protocolo é coerente, mas, mesmo assim, a coisa foge do controle de uma maneira geral. E o futebol também tem que ter uma participação no sofrimento. Isso dói, mas precisamos parar”, afirmou o dirigente.

publicidade
Lisca, do América, usou transmissão de jogo para pedir pela paralisação (Foto: Mourão Panda / América)
Lisca, do América, usou transmissão de jogo para pedir pela paralisação (Foto: Mourão Panda / América)
publicidade

Duas federações já sinalizaram que terão interrupção nos Estaduais. A primeira foi a de Santa Catarina. A entidade do Estado anunciou na quarta-feira (3) a paralisação pelos próximos 15 dias. Na sexta-feira (5), haverá um encontro com os clubes para discutir o futuro do torneio. A região vive caos com o Covid-19, com hospitais próximos dos 100% de ocupação nos leitos de UTI.

Ao Norte, o vizinho Paraná tomou a mesma decisão. O Campeonato Paranaense foi interrompido graças a um decreto do Governo do Estado, que decidiu proibir eventos esportivos até o dia 8. Os jogos adiados ainda não têm datas definidas para serem remarcados

Com quase 2 mil mortes diária, o Brasil vive o pior momento da pandemia do Covid-19, mesmo com o início da vacinação. Segundo a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), 18 Estados e o Distrito Federal têm ocupação de leitos de UTI acima de 80%. Ou seja, situação bem mais delicada do que a primeira paralisação do futebol, em 2020.

Ainda assim, a pressão pela parada ainda encontra diversas resistências. A maioria dos clubes da Série A se posicionou contra a medida. Em 2020, alguns clubes, especialmente o Flamengo, fizeram movimento contrário, com articulações para que o futebol voltasse.

publicidade

Superliga: clubes fundadores sofrem golpe de € 2.5 bi em valor de marca