Futebol

Eduardo Coudet compara ligas argentina, mexicana, brasileira e espanhola

A
A

Aos 46 anos de idade, o argentino Eduardo Coudet começa a ter, no currículo, uma invejável bagagem. Um dos principais responsáveis pela excelente campanha do Internacional no Campeonato Brasileiro de 2020, o treinador acabou deixando o time na liderança do torneio e agora vive sua primeira experiência no futebol da Espanha, onde dirige o Celta de Vigo.

Na La Liga, Coudet conseguiu tirar o time das últimas posições da tabela, algo que permite ao Celta vislumbrar uma próxima temporada mais confortável. Atualmente, o clube ocupa a décima colocação da LaLiga, sem correr risco de rebaixamento, um feito considerável depois de o treinador chegar sem ter realizado pré-temporada e sem conhecer o elenco que iria treinar.

Além do projeto esportivo, pesou para a mudança de Coudet de país o fato de adentrar, finalmente, no maior mercado de futebol. A chegada ao Celta coincidiu, também, com a ampliação da infraestrutura do clube. O time espanhol inaugurou uma estrutura com três gramados oficiais, academia para treinamento de atletas profissional e da base, instalação para os jogadores se hospedarem, etc.

“Em termos de infraestrutura, é um passo gigantesco o que aconteceu com o Centro de Treinamento e suas instalações. Agora temos de acompanhar isso também dentro do desempenho esportivo”, afirmou Coudet em entrevista exclusiva à casa de aposta Betway.


publicidade
Eduardo Coudet, técnico do Celta de Vigo, da Espanha
Divulgação
Eduardo Coudet, técnico do Celta de Vigo, da Espanha
publicidade

O treinador também comparou as diferenças técnicas e físicas entre as ligas. Depois de começar a carreira no futebol da Argentina, passar pelo México e regressar ao país de origem, Coudet passou pelo Inter e depois foi para a primeira aventura numa liga europeia.

“Na Argentina o jogo é muito mais físico, no Brasil nem tanto. Os jogadores brasileiros são mais fortes do que em qualquer parte do mundo, são mais velozes, mais técnicos. É um jogo muito equilibrado, muito dinâmico. E, assim como na Argentina, vivemos um grau de intensidade total. Já o futebol espanhol tem uma diferença de velocidade, na tomada de decisões, em como a bola corre. Todos eles são únicos e diferentes”, disse o treinador.

Durante conversa com o time da Betway, Coudet também ponderou sobre as diferenças de morar em outros países e como isso interfere em sua rotina.

“O bom de treinar em ligas diferentes é desenvolver a capacidade de se adaptar, algo que te dá um crescimento profissional, te enriquece. No caso do Celta, eu gostei muito da cidade, do clube. Isso com certeza influenciou bastante para eu tomar a decisão de mudar de clube”, completou Coudet, que ficou por apenas dez meses no Internacional, teve desentendimentos com a diretoria e deixou o time líder do Brasileirão e às vésperas de jogar as oitavas de final da Conmebol Libertadores e as quartas de final da Copa do Brasil.

publicidade