Futebol

Com Supercopa e Flamengo, empresas de streaming travam batalha

por Redação
A
A

O esporte tem sido usado como plataforma de promoção das empresas de streaming, especialmente com a produção de conteúdo específico para o segmento. Mas poucas vezes a batalha entre as marcas ficou tão explícita quanto no último fim de semana. Com a Supercopa do Brasil, Amazon Prime Video e Globoplay usaram suas armas para ter destaque na programação.

A marca da Amazon começou a disputa com um aporte pontual no Flamengo. A marca do Prime Video ficou estampada nas costas da camisa do time e conseguiu exposição durante o jogo; o time do Rio se sagrou campeão no duelo contra o Palmeiras.

Além da exposição na camisa, o Prime Video usou as redes sociais do Flamengo para promover o serviço de streaming. Por fim, a empresa teve espaço no intervalo do jogo para exibir o trailer do filme “Sem remorso”, que estreará no fim deste mês na plataforma.

publicidade
Com Supercopa e Flamengo, empresas de streaming travam batalha
publicidade

A Globo, que vendeu o espaço de publicidade para a Amazon, também usou a partida para promover o Globoplay, marca de streaming do grupo. Durante a parada do jogo, a empresa colocou no ar um vídeo que explicava o funcionamento do serviço.

Como pano de fundo para o duelo entre Globo e Amazon, estavam os bons números de audiência para o duelo, especialmente no Rio de Janeiro. Segundo os dados prévios do Ibope, a região metropolitana da capital fluminense chegou a marcar 28 pontos de média durante o confronto. Em São Paulo, foram 19 pontos, longe dos melhores momentos do futebol, mas mais do que o dobro do que a emissora costuma registrar no horário.

Hoje, Prime Video e Globoplay lutam para ficar ao lado da Netflix no orçamento do público brasileiro. Segundo um levantamento de 2020 realizado pela FGV, a Netflix tem 17 milhões de assinantes no país, contra 10 milhões do Prime Video. O Globoplay aparece na liderança, mas em número de usuários: 20 milhões. A plataforma, no entanto, é a única que tem conteúdo de graça, e a conta não distingue o número de pagantes e não pagantes.

publicidade