Futebol

Com Supercopa do Brasil, Kia retorna ao futebol brasileiro

por Redação
A
A

A Kia Motors está de volta ao futebol brasileiro. A CBF anunciou nesta semana que a Supercopa do Brasil de 2021, a ser disputada entre Palmeiras e Flamengo, será chamada de Supercopa Kia. A marca de carros será exibida conteúdos oficiais e propriedades comerciais da competição. A empresa terá destaque na placa central de campo e na entrada dos jogadores.

O evento deste ano será realizado em Brasília, no Estádio Mané Garrincha, sem torcedores por conta da pandemia do Covid-19. Além do título entre o campeão brasileiro e o campeão da Copa do Brasil, a disputa envolve uma premiação de R$ 7 milhões, valor mantido pela CBF mesmo sem a bilheteria do encontro.

Apesar do acordo de title sponsor com a Kia ser válido para apenas uma partida, o acordo representa um retorno da empresa para o futebol brasileiro. A Kia manteve propriedade principal da Copa do Brasil, com direito ao nome do torneio, durante quatro anos no início da década de 2010. Na mesma época, a companhia sul-coreana foi patrocinadora máster do Palmeiras.

publicidade
Logotipo da Supercopa do Brasil, com a presença da Kia (Foto: Divulgação)
Logotipo da Supercopa do Brasil, com a presença da Kia (Foto: Divulgação)
publicidade

Depois, a marca se manteve longe do esporte, pelo menos no Brasil. Internacionalmente, a Kia tem o aporte da Copa do Mundo, junto com a Hyundai, que pertence ao mesmo grupo. Na Europa, a Euro também conta com a empresa. No tênis, o Aberto da Austrália tem parceria com a companhia, assim como Rafael Nadal é mantido como embaixador.

Em 2020, o Grupo Gandini, que detém a marca Kia no Brasil, tinha planos de aumentar pontos de vendas e recuperar a participação de mercado que a empresa já teve no país. A empresa apostou em dólar estável e na popularização do modelo Kia Rio, recém-chegado ao mercado nacional.

Com a pandemia, no entanto, todo o mercado automotivo teve problemas. Neste momento, o país tem 29 fábricas paradas, de um total de 58. As decisões de paralisação dão sequência a um ano já fraco de vendas do segmento.

publicidade