Futebol

CBF perde receita, mas mantém investimentos no futebol

por Redação
A
A

A Confederação Brasileira de Futebol aprovou as contas de 2020 em Assembleia Geral realizada na quinta-feira (22). Em ano marcado pela pandemia do Covid-19 e pela paralisação do futebol durante quatro meses, a entidade teve queda na receita, mas conseguiu manter os investimentos diretos no esporte.

O faturamento da CBF em 2020 ficou em R$ 716 milhões, provenientes de patrocínios, direitos de transmissão e Fundo de Legado da Copa do Mundo de 2014. Na temporada anterior, a confederação teve receita recorde e chegou a R$ 957 milhões.

Apesar da queda na receita, os investimentos diretos no futebol foram mantidos. Em 2019, o repasse para competições e seleções foi de R$ 535 milhões, contra uma pequena queda para 2020, que contou com R$ 523 milhões.

publicidade
CBF aprovou as contas em Assembleia Geral (Foto: Lucas Figueiredo/CBF)
CBF aprovou as contas em Assembleia Geral (Foto: Lucas Figueiredo/CBF)
publicidade

Mesmo sem futebol por quatro meses, os gastos foram altos justamente para dar suporte à turbulência do mercado com a pandemia. Somente em socorro a federações, foram gastos R$ 170 milhões. Foram colocados mais de R$ 100 milhões em empréstimos para clubes, além da conta de R$ 33 milhões em testagem e protocolos de saúde para a realização dos jogos durante a crise do Covid.

“No ano mais difícil da história conseguimos manter o nível de investimento no desenvolvimento do futebol brasileiro acima dos R$ 500 milhões, perfazendo quase R$ 2 bilhões nos últimos quatro anos. Afora os valores anuais aportados, ainda tivemos um plano extraordinário de socorro às Federações, Clubes e profissionais da arbitragem durante a pandemia, que chegou a R$ 170 milhões. Além disso, garantimos a realização das 21 competições programadas para a temporada, o que permitiu a toda estrutura do futebol manter suas receitas e os empregos por ela gerados”, exaltou o presidente da CBF, Rogério Caboclo.

publicidade