arquivo

Volta de público dá lucro à Ferj, mas prejuízo a clubes

por Augusto Dalla Vecchia e Duda Lopes - São Paulo (SP)
A
A
publicidade

Fluminense tem dificuldades quando Maracanâ não chega a 30% do público (Foto: MAILSON SANTANA/FLUMINENSE FC)

publicidade
publicidade

A Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj) é uma das principais defensoras da volta do público do Brasileirão, a ponto do presidente da entidade, Rubens Lopes, ter batido boca com o presidente da CBF, Rogério Caboclo, na reunião sobre o assunto na quinta-feira (24). Mas, para além do interesse dos times cariocas, quem mais tem a ganhar financeiramente é a própria Ferj.

publicidade

Leia mais:

publicidade
publicidade
publicidade

A federação do Rio, assim como acontece com as outras federações nacionais, tem direito a 5% da renda bruta de todos os jogos do Brasileirão. O problema é que, com o público limitado, a renda líquida costuma ficar no negativo. Ou seja, com volta dos jogos, o risco ficará restrito às equipes, e Ferj só tem a ganhar.

publicidade
publicidade

A Máquina do Esporte levantou as partidas que cravaram 30% do público ou que ficaram mais próximos disso, entre os clubes cariocas durante o Campeonato Brasileiro de 2019. Foi considerada a taxa de ocupação usada pelo Globoesporte.com em seu aplicativo sobre público nos estádios brasileiros.

publicidade
publicidade
publicidade

Ao levantar o borderô dessas partidas, Botafogo, Fluminense e Vasco ficaram no prejuízo. O Flamengo não foi considerado porque não teve jogo com a taxa de ocupação igual ou inferior a 30%. O clube é também um dos defensores da volta do público.

publicidade

O pior dos casos acontece com o Vasco, caso o time opte por atuar em São Januário. Com 7 mil pessoas, time joga com alto prejuízo. Na partida contra o Palmeiras, em 2019, o time levou 8,4 mil torcedores ao estádio, o que representou uma taxa de ocupação de 33% do estádio, mais do que seria possível no retorno em 2020. No fim, o clube teve prejuízo de R$ 67 mil com a partida. A Ferj, com os 5% da renda bruta, levou R$ 13 mil.

publicidade
publicidade
publicidade

O mesmo acontece com seus rivais. O Botafogo, contra o Santos, teve 16,2 mil pessoas no Nilton Santos, 29% de ocupação. Teve prejuízo de R$ 6,2 mil, mas a Ferj ficou com R$ 21,4 mil. O Fluminense, contra o São Paulo, teve 21,7 mil pessoas no Maracanã, exatos 30% de ocupação. Prejuízo de R$ 12,3 mil, com R$ 28,9 mil de lucro para a Ferj.

publicidade
publicidade

Há algumas suposições de que poderiam melhorar a situação para os clubes, mas que não devem ser atingidas na prática. A primeira está no custo de operação que, com o público limitado, poderia ser mais baixo. No entanto, como explicou o superintendente de marketing da Neo Química Arena, Caio Campos, ao Máquina Talks, evento realizado pela Máquina do Esporte nesta semana, isso não deverá acontecer.

publicidade
publicidade

Como existe a necessidade de distanciamento entre os torcedores, os estádios não poderão limitar os setores, o que diminuiria os custos. Os 30% do público terão que, necessariamente, serem espalhados em todos os setores.

publicidade

Outra suposição que amenizaria a situação seria o aumento do tíquete médio, que compensaria a limitação de público. Nesse caso, vale a lembrança de que a taxa de ocupação dos estádios brasileiros já é baixa, mesmo com a precificação aplicada na última temporada. Fluminense e Botafogo, por exemplo, não chegaram a 30% de média nos estádios durante o ano de 2019.   

publicidade
publicidade

A defesa de Rubens Lopes está no retorno do público determinado pelos órgãos públicos de cada estado. O Rio de Janeiro já poderia receber torcedores nas arenas em outubro. A irritação do dirigente na reunião da CBF aconteceu porque a maioria dos clubes entendeu que só poderia haver torcida quando todas as equipes do Brasileirão tivessem a mesma condição.

publicidade
publicidade

Procurada pela Máquina do Esporte, a Ferj preferiu não comentar.

publicidade
publicidade

Ingresso virtual vira maior fonte de receita para Comercial-SP