A pandemia do coronavírus acelerou a utilização da tecnologia no esporte. E, nas últimas semanas, a implementação de soluções tecnológicas por parte de alguns clubes no Brasil mostrou que novas fontes de receita podem ser descobertas a partir dessa solução.

Nesse caminho, as TVs dos clubes revelaram um mercado a ser explorado que pode gerar receita para eles a partir do conteúdo produzido dentro da plataforma. No último final de semana, o Cruzeiro decidiu transmitir, pela primeira vez, o treino do time profissional. Por meio do canal do clube no YouTube, as atividades dos atletas foram exibidas e, na sequência, houve uma live com o presidente Sérgio Santos Rodrigues. Patrocinada por Vilma, Supermercados BH e EmCamp Residencial, a transmissão gerou receita para o clube e garantiu mais 10 mil inscrições para o canal cruzeirense no YouTube.

O caminho foi similar ao percorrido pelo Ceará, que criou uma ação usando o atacante Rafael Sóbis e mobilizou a torcida. O clube vazou um áudio por WhatsApp em que o jogador dizia que seria "questão de tempo" para que ele passasse a vestir uma nova camisa.

O vazamento da informação gerou grande repercussão e deu a entender que Sóbis estaria procurando um novo clube. O caso foi "solucionado" pouco depois com uma ação inédita. A transmissão do primeiro jogo-treino do clube desde a paralisação do futebol dentro da TV oficial da equipe. O acesso ao conteúdo, porém, era exclusivo para sócios-torcedores.

Foto: Reprodução / Twitter (@CearaSC)

"Isso requer check-in na plataforma de CRM, verificação em tempo real de clientes ativos e adimplentes na base, integração com o canal da TV Vozão e link de dados para suportar os múltiplos acessos e a audiência. Nosso time realizou esse trabalho em apenas 48h e é um marco para a história da End to End e seguramente para o Ceará Sporting Club", disse Reginaldo Diniz, CEO da agência que é cogestora do programa Sócio Vozão.

Durante a transmissão ao vivo, o clube apresentou sua nova camisa, com o patrocínio máster da Estadium.bet. E Sóbis pôde, enfim, vestir a "nova camisa".

Quem também usou o conteúdo para faturar, mas de maneira indireta, foi o Atlético-MG. O clube usou a TV Galo para convocar o torcedor a se engajar na venda do "Manto da Massa", camisa recém-lançada pela Le Coq Sportif para a equipe. Dois vídeos foram lançados. Um com Diego Tardelli convocando a torcida pra comprar a camisa. O outro, com o técnico Jorge Sampaoli falando da importância da camisa para o clube. Os vídeos tiveram 727 comentários e 76.120 visualizações, e aumentaram o tráfego no site de compra em mais de 90% justamente em um dos dias de maior baixa de vendas, que foi em 18 de junho.

Por fim, a tecnologia também tem sido outra aliada para aumentar a monetização dos clubes. Na última semana, o Fortaleza apresentou seu novo aplicativo. Disponibilizado pela Sportheca, o app do clube tem os mesmos princípios de negócio do que o São Paulo lançou logo no começo da pandemia. A ferramenta aproxima o torcedor do clube por meio de jogos on-line, sorteios e conteúdos. Além disso, está integrado com a loja oficial da equipe.

"A ideia é que, pelo app, seja possível comprar ingresso, fazer check-in, adquirir produto, participar de sorteio, ter informações de elenco, bastidores, quiz, músicas da torcida. Queremos algo que o torcedor queira olhar e interagir várias vezes ao dia e não só em dias de jogos. É poder aproximar o torcedor em qualquer lugar do mundo ao Fortaleza, através de algo moderno, atrativo, de fácil navegação e que esteja sempre inovando", explicou Marcelo Paz, presidente do clube cearense.


Notícia Atlético-MG Marketing Mídia YouTube