Na semana passada, a Máquina do Esporte revelou que o Liverpool já teria assinado um contrato de patrocínio técnico com a Nike para entrar em vigor a partir da próxima temporada e que esse acordo teria levado a New Balance, atual parceira do clube inglês, a entrar na Justiça na tentativa de se manter na camisa dos Reds. Ainda não se sabe o que a High Court (Tribunal Superior) vai decidir, mas o fato de o assunto ter ido parar na Justiça acabou revelando que a proposta da Nike feita ao Liverpool não é nem de longe aquilo que a imprensa britânica especulava.

De acordo com o jornal britânico Times, que teve acesso aos documentos do processo, o contrato entre Nike e Liverpool geraria "apenas" £ 30 milhões anuais ao clube inglês. Se for confirmado, o valor é menos do que a metade dos £ 70 milhões especulados até a semana passada.

O acordo seria, inclusive, menor que o atual com a New Balance, que gera £ 45 milhões para os Reds, e bem menor que os outros grandes da Nike no futebol inglês, com Chelsea e Tottenham que recebem £ 50 milhões cada um da marca americana.

O site britânico SportsPro Media ainda comparou o valor com o que a fabricante de Beaverton pagará ao Paris Saint-Germain em um contrato renovado no final do último mês de junho até 2032. O acordo com o clube francês é de £ 71 milhões anuais. Para se ter uma ideia, a parceria entre a arquirrival da Nike, a Adidas, e um dos grandes rivais do Liverpool, o Manchester United, vale £ 75 milhões por ano.

Foto: Reprodução

Com todos esses números revelados, uma questão aparece claramente: mas se o valor é menor até que o atual contrato com a New Balance, por que trocar pela Nike e, ainda por cima, ter que brigar na Justiça por isso? O próprio site britânico responde: O Liverpool aparentemente acredita que a Nike pode gerar uma receita total muito maior que a atual gerada pela New Balance.

A principal explicação estaria na proposta da Nike de pagar aos Reds royalties de 20% sobre as vendas líquidas de todos os produtos do Liverpool. Além disso, a marca ainda usaria grandes atletas patrocinados por ela em outros esportes, como LeBron James e Serena Williams, assim como grandes nomes da música e do entretenimento, como o rapper Drake, para promover o clube.

Por último, a Nike ainda teria garantido dobrar a quantidade de lugares em que os uniformes do Liverpool chegariam com relação aos locais em que chegam atualmente com a New Balance. O número saltaria de 3 mil para 6 mil.

Com o julgamento marcado para 18 de outubro e com previsão de três dias de duração para ser concretizado, o fornecedor de material esportivo dos Reds em 2020/2021 será conhecido em breve. Se, no entanto, a Nike vencer, a resposta para o sucesso ou não da aposta do Liverpool na nova parceria só virá com o tempo. E dependerá muito também de um fator que o clube tem lidado com maestria nos últimos anos: os resultados dentro de campo. 


Notícia Liverpool Nike New Balance patrocínio marketing Justiça processo contrato estratégia royalties vendas receitas faturamento