O Flamengo abortou a estratégia de exibir a partida contra o Volta Redonda, válida pela semifinal da Taça Rio, cinco minutos antes do início da partida. Originalmente pensada para a plataforma Mycujoo, com pagamento de R$ 10 por acesso, o jogo voltou para o YouTube, de forma gratuita, da mesma maneira que a equipe já havia feito na última quarta-feira (1º), em partida diante do Boavista.

O problema foi a dificuldade do sistema para receber a demanda. Desde o domingo (5) de manhã, torcedores já relatavam problemas para efetuar o pagamento e garantir a transmissão. Como as reclamações permaneceram, o clube resolveu romper a exclusividade do Mycujoo e liberar o jogo, o que só foi concretizado poucos minutos antes do início da partida que classificou a equipe para a final do torneio.

Foto: Reprodução

Mesmo com os problemas, o clube afirmou que cerca de 100 mil torcedores acessaram a plataforma paga. "Importante é mostrar que a estratégia estava certa, demanda muito alta. A gente precisa operacionalmente evoluir, mas isso faz parte do processo de aprendizado que a gente vai tendo mesmo", comentou o presidente do Flamengo, Rodolfo Landim, à FlaTV, que exibiu o jogo no YouTube.

LEIA MAIS: Análise: Flamengo pode ir de inovador a teimoso

O clube carioca anunciou a parceria com o Mycujoo apenas no sábado (4), um dia antes da realização da partida. O plano era aumentar a arrecadação com a transmissão on-line e valorizar o programa de sócio-torcedor do Flamengo, já que membros do "Nação Rubro-Negra" não precisariam pagar para acessar o jogo.

No domingo (5), o Mycujoo usou as redes sociais para se desculpar com os torcedores do Flamengo. A plataforma alegou que o processador de pagamentos no Brasil, o Ebanx, não suportou o alto volume de transações realizadas.


Notícia Mídia direitos transmissão televisão streaming plataforma Flamengo Mycujoo YouTube gestão estratégia mercado