A realização do Super Bowl em Miami fez com que o consumo de cerveja na cidade aumentasse em 11,4% em relação ao que foi consumido na final do futebol americano do ano anterior. Isso é o que aponta o Relatório do Grande Jogo, lançado pela consultoria BeerBoard, que mensura a venda de cerveja em bares e restaurantes dos Estados Unidos.

LEIA MAIS: Análise: Super Bowl é evento inviável no Brasil

LEIA MAIS: Análise: Política na NFL? Só pode se for oficial

LEIA MAIS: Super Bowl bate audiência de 102 milhões de pessoas nos EUA

De acordo com o relatório, enquanto em Miami o consumo de cerveja aumentou, nos Estados Unidos como um todo a média caiu. Foram consumidos 1,3% a menos de cerveja no Super Bowl 2020 em relação à edição de 2019. Em Kansas City, cidade do campeão Chiefs, o consumo aumentou consideravelmente: 21,3%. Já em San Francisco, terra do vice-campeão 49ers, houve uma queda de 3%.

Foto: Reprodução

A maior variação negativa aconteceu em Atlanta, que foi a sede do Super Bowl em 2019. Lá, o consumo de cerveja caiu 16,4%. A tendência é que isso aconteça em Miami em 2021, já que a cidade não voltará a receber a decisão da NFL no ano que vem.

O relatório também aponta uma tendência interessante que relaciona o consumo de cerveja com os anunciantes do Super Bowl. As duas marcas que tiveram maior aumento de vendas em Miami foram Michelob Ultra (62% a mais) e Bud Light (23%). Ambas anunciaram no intervalo do jogo. A outra marca que marcou presença foi a Budweiser.

O crescimento da Bud Light, aliás, contrastou com as cervejas do gênero Light. Elas tiveram queda de 1,2% de consumo em todo os EUA. Já as cervejas artesanais estiveram em alta. Foram 68% a mais de consumo em relação ao Super Bowl 2019.


Notícia NFL Super Bowl BeerBoard consumo cerveja mídia estratégia mercado