O final de semana do futebol pelo mundo foi um dos mais estranhos da história por conta da pandemia do coronavírus. Na Europa, entre as principais ligas do país, ninguém entrou em campo. Já na América do Sul, apesar de portões fechados em alguns lugares, houve rodada mesmo a contragosto de alguns clubes. Dois deles em especial fizeram protestos contra a realização das partidas.

LEIA MAIS: Análise: A máquina do esporte deve parar

A iniciativa mais impactante foi do River Plate. Contrário à realização do jogo diante do Atlético Tucuman pela primeira rodada da Copa da Superliga Argentina, o clube se recusou a entrar em campo no sábado (14). Mais do que isso: simplesmente não abriu o Estádio Monumental de Núñez.

Foto: Reprodução / Diário Olé

Poucas horas antes do jogo, a equipe de arbitragem e os representantes do Atlético Tucumán chegaram ao estádio e encontraram os portões fechados. Em seguida, não receberam autorização para entrar. Quando percebeu que a atitude do River era irredutível, o árbitro dispensou a equipe visitante de se deslocar até o estádio e deu o confronto como cancelado.

De acordo com o clube argentino, a iniciativa foi tomada pensando na saúde dos atletas e dos torcedores. O atual vice-campeão da Libertadores ainda anunciou a suspensão das atividades por tempo indeterminado por causa da pandemia. Por sequer ter aberto o estádio para um jogo que estava confirmado, o River poderá ser punido pela Associação de Futebol Argentino (AFA).

No Brasil, os protestos de Grêmio e Vasco foram mais comedidos. Os jogadores cruz-maltinos entraram com máscaras em campo para o clássico diante do Fluminense, no Estádio do Maracanã, válido pela Taça Rio.

O tricolor gaúcho também entrou em campo para enfrentar o São Luiz, em jogo válido pelo Estadual, com máscaras para demonstrar a contrariedade de estar no gramado da Arena do Grêmio mesmo com portões fechados.

A iniciativa chamou ainda mais atenção pelo fato de que não foram apenas os jogadores titulares que vestiram as máscaras. No banco, os jogadores reservas e toda a comissão técnica, inclusive o técnico Renato Gaúcho, também aderiram ao protesto. No jogo, o time da casa saiu perdendo por 2 a 0, mas conseguiu a virada e venceu por 3 a 2.

Foto: Reprodução


Notícia River Plate Grêmio pandemia protesto futebol Coronavírus Covid-19