Preterido da Copa do Mundo, o estádio do Morumbi vai ao menos sediar baladas durante a competição. De 12 de junho até 13 de julho, portanto da estreia à final, o local vai ter até 18 dias de samba, música eletrônica, comes e bebes e transmissão dos jogos em telões. Esta “fan fest alternativa” tem a chancela de Pelé e sociedade da Legends 10, agência que explora a imagem dele.

A ideia partiu da Front360, empresa que montou o projeto e o apresentou para a agência do ex-jogador. Fechada a parceria entre as duas, elas então procuraram o São Paulo para alugar o Morumbi. O preço para arrendar todo o estádio é de R$ 1,2 milhão, mas ambas negociaram e fecharam apenas a parte que não envolve o campo por R$ 300 mil.

Os eventos vão se sustentar com bilheterias e patrocínios. Serão cobrados ingressos a partir de R$ 70, e a expectativa é levar cerca de 50 mil pessoas ao Morumbi nessas 18 datas. O número de dias varia de acordo com a seleção: se o time for eliminado, não haverá balada nas fases seguintes. Quanto mais longe o Brasil for, mais os envolvidos faturam.

Por parte das empresas, Brahma e Camil fecharam patrocínios, a Penalty entrou como apoiadora, e a Front360 espera conseguir ao menos mais dois patrocinadores.Se tiver 18 datas, os organizadores projetam R$ 5 milhões em custos e R$ 6 milhões em receitas. Este possível lucro de R$ 1 milhão seria dividido entre as agências e o São Paulo.


Notícia São Paulo Pelé São Paulo Morumbi Copa do Mundo