A crise causada pela pandemia do coronavírus tem mostrado o poder que clubes, entidades esportivas e os próprios atletas possuem em seus canais digitais. O vídeo divulgado pelo Bahia nesta segunda-feira (23), gravado por torcedores ilustres, atletas e até por torcedores rivais, pedindo ao torcedor para ficar em casa para evitar o aumento do contágio pelo coronavírus, é o exemplo de como esse potencial precisa ser utilizado pelo esporte, ainda mais durante a crise.

Essa foi a conclusão tirada do bate-papo de cerca de uma hora que estreou a Live de segunda-feira nos perfis da Máquina do Esporte nas redes sociais.

LEIA MAIS: Máquina do Esporte promoverá ações durante pausa do esporte

Foto: Reprodução / Twitter (@Cruzeiro)

"Uma das ações que eu mais gostei foi feita pelo Cruzeiro, que sumiu das redes sociais e, depois que o pessoal começou a perguntar, eles disseram: 'Olha, se a gente fez falta, vamos ter consciência porque outros estão fazendo'. A ação de clubes liberando as estruturas também foi muito legal", disse Andre Stepan, country manager da Horizm, plataforma de valoração de asset digital.

É exatamente esse engajamento com atletas o conteúdo que tem sido usado agora pela Conmebol para manter aquecida a "chama" da Copa Libertadores. Segundo Ricardo Taves, diretor de estratégia da FC Diez Media, agência responsável pela gestão comercial e de conteúdo da entidade sul-americana, a forma de fazer o torcedor se manter próximo e também bem-informado é via conteúdo.

"A gente tinha muito material que havia sido gravado antes da pausa. Só entre os clubes brasileiros, temos 25 jogadores entrevistados. E tem muita coisa que vem de fora, temos dez países no continente. A gente tem pedido ajuda aos jogadores. Eles têm mandado vídeos pedindo gols que mais gostaram na competição. A gente está traçando um monte de soluções para o período sem jogos", disse o executivo.

LEIA MAIS: Análise: Redes sociais são meio de contato, e não diário

Já para Guilherme Prado, jornalista, consultor em comunicação e gestão de imagem, tendo atuado em clubes como Corinthians, Palmeiras e Santos, a crise mostra o poder de comunicação e engajamento que o atleta precisa ter.

"Eu acho que os jogadores podem dar um pouco de diversão para as pessoas no tempo de isolamento. Eles podem fazer lives, segurar o cara durante uma hora", afirmou Prado.

Para conferir a íntegra do bate-papo, você pode ir ao YouTube ou ao Facebook. Nesta quarta-feira (25), "Os Maquinistas", podcast da Máquina do Esporte, entrevistará Diogo Kotscho, vice-presidente de comunicação do Orlando City, e João Pedro Castilhos, head de comunicação do Sportheca. Eles analisarão como Estados Unidos e Europa têm lidado com a crise.


Notícia Coronavírus Covid-19 pandemia crise esporte redes sociais mídia marketing estratégia gestão mercado