Foto: Ricardo Duarte / S. C. Internacional

O Internacional acaba de abrir escolinhas de futebol fora do país. A ideia faz parte de um projeto de reformulação da metodologia usada nas categorias de base do clube e tem como objetivo ampliar receitas a partir da exploração da marca institucional do Inter, usando, para isso, mercados em que há grande presença de brasileiros. As cidades escolhidas foram Buenos Aires, capital da Argentina, e Davenport, que fica no estado da Flórida, nos Estados Unidos.

“Nossa relação com a Argentina se dá, sobretudo, pelos grandes nomes do futebol daquele país que já defenderam ou ainda defendem nossas cores, como é o caso do ídolo e capitão D’Alessandro, há quase dez anos conosco”, explicou Otavio Rojas, vice-presidente de marketing e mídia do Internacional.

Em Buenos Aires, a escola já conta com cerca de 300 alunos, divididos entre as categorias sub-13, sub-15 e sub-17. Além do futebol, a unidade também possui uma função social, com oferta de alimentação aos jovens e familiares, e apoio escolar e psicológico aos atletas.

Já nos Estados Unidos, onde o projeto tem a gestão do ex-zagueiro Carlos Roberto Santos, o Nenê, que fazia parte do elenco do Inter nos anos 1980, já são 150 alunos entre as categorias sub-10 e sub-12, além de clínicas em High School. Nenê mora na Flórida há mais de 20 anos e é técnico de futebol.

“Nosso projeto também prevê clínicas de futebol em escolas e universidades, e intercâmbio de atletas. Aqui no Brasil, recebemos dois jovens norte-americanos, entre fevereiro e março, no CT de Alvorada. Neste momento, inclusive, a universidade pública Four Corners Upper Scholl e a prefeitura de Davenport são nossas parceiras”, contou Diego Cabrera, coordenador geral das categorias de base do clube gaúcho.

Quem quiser maiores informações sobre a abertura de escolinhas de futebol do Internacional no exterior, pode entrar em contato pelo telefone (+55 51) 3230-4701 ou pelo e-mail [email protected].


Notícia Internacional projeto categorias de base escolinhas de futebol Argentina EUA exploração de marca mercados