A Fifa, entidade que comanda o futebol mundial, divulgou, nesta terça-feira (17), uma declaração de seu presidente, o suíço-italiano Gianni Infantino, em que comenta as decisões imediatas do órgão com relação à pandemia do coronavírus que paralisou o futebol em boa parte do mundo.

LEIA MAIS: Coronavírus: veja cronologia da pandemia no esporte mundial

LEIA MAIS: Por coronavírus, Euro e Copa América são adiadas para 2021

Para começar, o mandatário citou "cooperação, respeito mútuo e compreensão" como "princípios orientadores para todos os tomadores de decisão". Em seguida, disse que "é imprescindível encontrar soluções adequadas e justas em nível global, o que requer unidade, solidariedade e um senso de responsabilidade compartilhado". Infantino ainda completou que "precisamos pensar em todos aqueles ao redor do mundo potencialmente impactados por nossas decisões".

Foto: Reprodução / Site (fifa.com)

Entre os pontos mais importantes do comunicado, o presidente da Fifa citou que fará uma reunião nesta quarta-feira (18) para tratar dos seguintes temas:

  • aceitar os adiamentos da Copa América Conmebol 2020 e da Uefa Euro 2020 para junho / julho de 2021;
  • decidir em uma data posterior, quando houver mais clareza sobre a situação, para qual data reagendar a nova Copa do Mundo de Clubes, se no próprio ano de 2021 ou 2022 ou 2023, em conversa com a Federação Chinesa e o governo chinês, país-sede do torneio;
  • discutir o impacto das mudanças no calendário com as confederações, clubes e outras partes interessadas e trabalhar com o objetivo de encontrar soluções apropriadas para que todos possam sair satisfeitos, se assim as circunstâncias permitirem, antes do final de abril.

A entidade ainda celebrou o fato de estar com uma situação financeira sólida no momento e, dessa forma, poder tomar algumas atitudes, como contribuir diretamente com US$ 10 milhões para o Fundo de Resposta de Solidariedade da Organização Mundial da Saúde (OMS) contra o Covid-19.

Além disso, a Fifa ainda quer discutir a possibilidade de estabelecer um Fundo Global de Assistência ao Futebol para ajudar todos os clubes afetados pela crise atual, assim como incentivar todos no futebol a contribuir com esses esforços.

Por último, Infantino ainda afirmou que consultará as partes interessadas do futebol profissional para poder anunciar em breve as alterações necessárias ou dispensas temporárias do "Regulamento sobre Status e Transferência de Jogadores" para proteger jogadores e clubes em relação a contratos que estão previstos para terminar no final da atual temporada.


Notícia Coronavírus Covid-19 pandemia futebol Fifa Gianni Infantino medidas gestão estratégia mercado