A menos que alguma reviravolta aconteça no futebol brasileiro em dois anos, Neymar deverá ser mesmo o principal nome da seleção brasileira para a Copa do Mundo de 2014, quando ela será realizada no país. E por todo o alcance que a camisa amarela possui no mundo, a expectativa da Volkswagen, patrocinadora do jovem atacante santista, é que a imagem dele possa ser usada fora do Brasil.

Essa possibilidade já está prevista no contrato assinado no último mês, apesar de um aporte adicional ser necessário para levá-lo para outros países. Até o momento, não há nenhuma campanha prevista para atingir outros mercados, e portanto nenhum prazo para que isso aconteça, mas Herlander Zola, gerente de marketing da companhia no Brasil, garante que a possibilidade deverá ser explorada.

"É uma prerrogativa da Volkswagen poder usar, apesar de hoje não haver um plano já estabelecido para que a gente utilize. Está previsto em contrato porque é muito provável que, em muito pouco tempo, a imagem dele seja relevante em outros países", explica o executivo em entrevista exclusiva à Máquina do Esporte.

Zola também detalhou a natureza do patrocínio da montadora alemã ao atacante brasileiro, desde os objetivos do aporte feito até a rotina. Neymar terá à disposição todos os carros do grupo Volkswagen, e isso engloba também marcas como Audi e Lamborghini, entre outras. Em contrapartida, possui uma certa quantidade de diárias que deverá cumprir com a empresa, seja para publicidade ou relacionamento.

Leia, abaixo, a entrevista na íntegra:

Máquina do Esporte: Como vocês pretendem usar o Neymar? Para obter visibilidade, fazer relacionamento...

Herlander Zola: Na verdade, tanto para visibilidade quanto para relacionamento. Essecialmente, ele participa de eventos criados pela Volkswagen ou patrocinados por ela. Vai participar de campanhas publicitárias, e isso naturalmente pode envolver a questão de gerar a possibilidade de encontrar clientes, coisas do gênero.

ME: Sobre publicidade, especificamente, ele já tem outros dez patrocinadores. Como vocês vão fazer para conciliar a agenda dele? Há alguma cláusula em contrato para garantir isso?

HZ: O que tem estabelecido em contrato é um número de diárias que pode variar. Se usarmos algumas para comerciais, fotos, ainda tem outras para eventos. Se usarmos todas para propaganda, por exemplo, não sobra nenhuma para eventos. Tem essa flexibilidade, independentemente de outros patrocinadores. Cada um tem uma necessidade, um contrato, e no nosso caso teremos um envolvimento muito intenso.

ME: O contrato é até 2016. A escolha se deu por causa dos Jogos Olímpicos no Brasil?

HZ: Exatamente. Ele tem 20 anos. Na Copa de 2014, terá 22, e nas Olímpiadas, 24. Então a gente entende que com 24 anos ele estará na plenitude da forma e certamente vai poder nos ajudar muito a estabelecer a imagem da Volks durante o período olímpico no Brasil por meio do futebol.

ME: Vocês pensaram em outro nome além do Neymar? Havia um plano B?

HZ: A escolha pelo Neymar se deu justamente pela escolha do melhor. Ele hoje é o grande ídolo do Brasil. Se formos avaliar o esporte, apesar de ter grandes nomes, ele é a principal celebridade do esporte brasileiro. Nesse caso, não tivemos segunda opção. Fomos direto nele.

ME: Há planos de contratar outros atletas?

HZ: Pode ser que, sim, daqui para frente a gente pense em usar outros nomes, dependendo da composição das campanhas que formos estabelecer. É bem provável que a gente use outros nomes do futebol, mas não é algo que está definido.

ME: É normal que atletas usem produtos de patrocinadores. O Neymar está sempre com tênis da Nike. Ele vai usar um carro Volkswagen?

HZ: Sim.

ME: Está em contrato?

HZ: Sim.

ME: Quando ele vai usar? Quando chegar ao treino?

HZ: Ele vai usar em todos os compromissos profissionais dele. Pela grandiosidade do grupo, temos a possibilidade de colocar carros de outras marcas disponíveis para que ele use em situações de uso pessoal. Se ele quer sair com a namorada, os amigos, em situação não-profissional, ele pode usar carros dogrupo. Temos uma lista super extensa, com Audi, marcas excelentes, Lamborghini, e todos eles vão estar disponíveis para ele.

ME: Ele tem uma imagem de massa, então o carro mais lógico seria o Gol?

HZ: É verdade. Existe uma sinergia natural entre Neymar e Gol, afinal de contas isso ele faz toda semana. Então é claro que vamos nos aproveitar dessa sinergia natural, no entanto o carro de uso dele, até pela dimensão do Neymar, não vai ser um Gol. Ele também vai ter Gol à disposição, pessoas da equipe dele vão usar Gol o tempo todo, mas no dia a dia ele vai usar um Touareg.

ME: Ele já tem uma imagem com alcance global. Vocês pretendem usá-lo em campanhas fora do Brasil?

HZ: Isso já está previsto em contrato. É uma prerrogativa da Volkswagen poder usar, apesar de hoje não haver um plano já estabelecido para que a gente utilize. Está previsto em contrato porque é muito provável que, em muito pouco tempo, a imagem dele seja relevante em outros países.

ME: Para entender como funciona o sistema, quem fechou patrocínio? A Volkswagen Brasil?

HZ: Sim, e a gente já tem estabelecido no contrato a possibilidade de usar em outros mercados, e aí, óbvio, vai depender do prazo que vai utilizá-lo, do país, e há um valor previamente estabelecido para que isso aconteça, mas está previsto.

ME: Vocês também são patrocinadores da seleção. Dá para fazer ativação conjunta?

HZ: Sem dúvida alguma. Esse também é um elemento que ajudou muito na escolha, na definição dessa parceria, porque sem dúvida Neymar é o nome não só do Santos, mas a seleção brasileira. E para que a gente possa estabelecer uma relação ainda mais próxima, um link mais claro na cabeça do consumidor, Neymar vai ajudar muito, e isso pesou bastante.

ME: Vocês pensam em daqui até a Copa fazer patrocínios a clubes?

HZ: É uma possibilidade que não está descartada. A gente tem planos para falar sobre isso, pensar de alguma forma como isso irá funcionar, e está muito relacionado às categorias de base. Não talvez às equipes principais, mas aos jovens.

ME: Por ser mais barato?

HZ: Não, definitivamente não. E sim pelo fato de que, apostando no futebol de base, certamente a Volkswagen iria contribuir para que outros Neymares aparecessem em alguns anos para o páis. É nisso que queremos investir. Além de trazer benefício em termos de visibilidade, que traga o benefício de criar algo que tenha relevância para o país, para as comunidades onde isso irá acontecer, existir. Temos um plano no forno para que possamos investir.

ME: Quando é a hora de executar?

HZ: Dentro dos próximos meses. O que posso dizer é que em meses, talvez seis, a gente já consiga iniciar esse processo.

ME: Então já há negociações em curso?

HZ: Já.

ME: O foco é São Paulo, por ser um grande mercado para carros, ou fora dele também interessa?

HZ: Também interessa. Aqui no próprio Santos, naturalmente, por toda a discussão que envolveu Neymar, já começamos, já temos um namoro, e é bem provável que dentro de muito pouco tempo a gente estabeleça essa parceria.

ME: Para a seleção, o que vocês têm planejado?

HZ: Isso já está saindo do forno. Uma campanha, que deve iniciar neste mês, irá envolver amistoso da seleção e promoção grande para levar clientes para assistir ao amistoso na Europa. Essa é uma primeira atividade para ativar o patrocínio, e obviamente a conexão com o Neymar nesse primeiro momento, a primeira campanha, já vai estabelecer a conexão Neymar, seleção e Volkswagen.

ME: O foco está no futebol ou há outros esportes em mente?

HZ: Futebol, mesmo. Tem outros esportes que já foram apoiados pela Volks, como surfe, mas no momento nosso foco está realmente no futebol.


Entrevista