Em meio à paralisação forçada do esporte profissional, o e-Sports se transformou na tábua de salvação para manter a chama acesa dos torcedores e reforçar o vínculo das instituições com seus fãs. Algumas iniciativas usando o esporte virtual começaram a ser adotadas pelas entidades nos últimos dias.

A primeira delas foi no automobilismo. Assim que o GP da Austrália de Fórmula 1 foi cancelado, a apenas dois dias do evento, a Veloce eSports criou o "Not the Australia GP", uma competição virtual que contou com a participação do piloto britânico da McLaren, Lando Norris, e do goleiro belga do Real Madrid, Thibaut Courtois. A transmissão do evento no Twitch e no YouTube obteve mais de 1 milhão de pessoas.

Foto: Reprodução / Twitter (@VeloceEsports)

Quem também "correu" o GP da Austrália foi o holandês Max Verstappen, que disputou o GP virtual organizado pelo site The Race. A Nascar também encontrou no mundo virtual a solução para a pausa forçada. No domingo em que haveria uma prova, a categoria criou a corrida virtual em parceria com a Podium eSports, contando com a participação de seus pilotos e até com equipe de transmissão na TV.

Agora, é o basquete quem começa a adotar o e-Sports como solução em tempos de blecaute do evento real. O Phoenix Suns começou a transmitir, por meio da plataforma Twitch, todo o restante dos jogos que o time da NBA ainda tem previsto para esta temporada. Por meio do simulador NBA2K, o Suns manteve o cronograma de partidas e já começa a fazer sucesso com as transmissões virtuais.

O primeiro jogo teve 221 mil visualizações, sendo 126 mil usuários únicos. O canal do time na plataforma, que não existia, já passou de 6 mil seguidores.

"Sabíamos que o esporte no mundo inteiro teria uma pausa, então pensamos como poderíamos dar às pessoas um jeito de continuar a acompanhar o esporte. Você encontra novos jeitos de sobreviver em momentos como esse e providencia entretenimento e distração. Se você olhar do jeito certo, pode encontrar um novo jeito de pensar", disse Dean Stoyer, CMO do Suns, em entrevista ao site Front Office Sports.

De acordo com o executivo, agora que o e-Sports se tornou palpável, o próximo passo é buscar a monetização com os eventos virtuais. O Suns já conversa com as emissoras locais que podem transmitir partidas da equipe com o intuito de levar o jogo para a TV. Da mesma forma, Stoyer afirma que a equipe de marketing da franquia trabalha para encontrar maneiras de integrar seus patrocinadores ao projeto.

Com o esporte fora do mundo real, o mundo virtual virou a solução do momento.


Notícia Coronavírus Covid-19 pandemia e-Sports esporte virtual automobilismo basquete estratégia gestão marketing mercado