A NBA tomou a medida mais drástica até agora no mundo do esporte após ter sido decretada a pandemia do coronavírus. A liga americana de basquete anunciou, na noite desta quarta-feira (11), a suspensão da atual temporada indefinidamente. A decisão foi tomada após um jogador do Utah Jazz ter testado positivo para o vírus. A partida entre o time de Utah e o Oklahoma City Thunder, que seria realizada na própria quarta, foi suspensa, assim como toda a temporada a partir desta quinta-feira (12).

LEIA MAIS: Análise: Esporte tem desafio maior que terrorismo

LEIA MAIS: Coronavírus Covid-19 cria rombo no mercado esportivo

LEIA MAIS: Análise: Entretenimento é frágil nas crises

A medida é uma forma de a NBA evitar um contágio maior de atletas e empregados. Em comunicado, a liga disse que usará o "hiato provocado pela suspensão de jogos para determinar os próximos passos em relação à pandemia do coronavírus".

Foto: Reprodução

A decisão da NBA deve gerar um efeito cascata nas principais competições esportivas nas próximas horas. A Fifa, por exemplo, deve confirmar, nesta quinta-feira (12), o adiamento do início das Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022 na América do Sul. Os dez clubes filiados à Conmebol enviaram uma carta à entidade pedindo que os jogos previstos para a semana de 22 de março sejam remarcados.

Da mesma maneira, é possível que as ligas da Inglaterra (Premier League) e da Espanha (LaLiga) sejam suspensas temporariamente, o mesmo acontecendo com a Champions League. Nesta quinta-feira (12), dois jogos da Europa League já não vão acontecer. As partidas Inter de Milão x Getafe e Sevilla x Roma foram suspensas porque o Getafe se recusou a viajar até Milão, enquanto a Roma não conseguiu embarcar para Sevilha. Já a Fórmula E suspendeu por dois meses suas atividades, adiando os e-Prix de Seul e Paris após ter cancelado as provas na China, na Indonésia e na Itália.

O adiamento e cancelamento de eventos esportivos, que antes eram motivados apenas para evitar aglomeração de torcedores, agora se dá por contaminação dos próprios atletas. Além do jogador do Utah Jazz, a Juventus, da Itália, confirmou que o zagueiro Daniel Rugani está contaminado com o Covid-19, mas que não apresentou nenhum sintoma da doença provocada pelo vírus. Ele ficou no banco de reservas na partida contra a Inter de Milão, no último domingo (8), que foi disputada com portões fechados.

A Fórmula 1 pode seguir o mesmo caminho. Com a temporada marcada para começar nesta sexta-feira (13), com os treinos livres em Melbourne, na Austrália, a categoria tem alguns membros de equipes afastados com suspeita de estarem com coronavírus. Até agora, porém, a realização da corrida ainda não foi suspensa, e a única atitude tomada foi realizar o GP do Bahrein, segunda etapa do calendário, em 22 de março, com portões fechados. 

Com a alteração do status do coronavírus para pandemia por parte da Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta quarta-feira (11), a tendência é de que, ao menos por um mês, o esporte tenha um inédito caso de paralisação mundial.


Notícia Coronavírus Covid-19 pandemia paralisação esporte NBA Fórmula E Fifa Eliminatórias gestão mercado