A Nike apresentou, nesta terça-feira (30), seu novo modelo de bola que promete, segundo a marca, revolucionar a aerodinâmica do futebol. Batizada de "Flight", a bola estreará nos gramados europeus com a Premier League e a Serie A italiana na próxima temporada (2020/2021) e chegará ao futebol brasileiro e sul-americano no ano que vem para ser usada no Campeonato Brasileiro, Copa do Brasil, Copa Libertadores e Copa Sul-Americana.

De acordo com a Nike, a "Flight" é resultado de oito anos de pesquisas para melhorar a estabilidade de voo da bola, conduzidos no Laboratório de Inovação em Equipamentos da Nike. Lá, a equipe da marca avaliou sugestões e necessidades dos jogadores, dividindo o trabalho em três etapas: examinar, recriar e inovar.

No caso da "Flight", a primeira fase fez uso de diversos sistemas de rastreamento, com o objetivo de medir o voo da bola após diferentes tipos de chutes que acontecem dentro de uma partida. Esse processo ajudou o laboratório a compreender as variáveis que afetam a bola durante o jogo, e permitiu que os engenheiros associassem medidas quantificáveis a jogadores de elite. Já na segunda etapa, o laboratório reproduziu vários tipos de chute que ocorrem no gramado e usou uma perna robótica para repetir esses lançamentos e quantificá-los. Graças a esse processo, foi possível medir pequenas diferenças de desempenho entre bolas e coletar um conjunto de testes quantificáveis que permitiu estabelecer comparações com a bola inovadora.

Foto: Divulgação / Nike

"Tudo o que fazemos no laboratório tem embasamento científico. Aqui é possível identificar diferenças mínimas de desempenho, que talvez não sejam perceptíveis para a maioria dos jogadores. No entanto, quando observamos essas diferenças 68 vezes, o resultado é um salto de desempenho perceptível", explicou Kieran Ronan, diretor sênior de equipamentos globais da Nike.

No ambiente controlado do laboratório, foram experimentadas ideias revolucionárias de aerodinâmica, estrutura e materiais. Os testes com a bola incluíram 68 versões diferentes da bola, além de milhares de horas no laboratório. Mais de 800 atletas profissionais participaram dos testes em campo, até que finalmente se chegasse ao modelo final.

Segundo a marca americana, qualquer bola de futebol está sujeita a movimentos inesperados no percurso por conta de uma série de parâmetros aerodinâmicos. Se uma bola tem a superfície totalmente lisa, por exemplo, ela é "agarrada" pelo ar, o que pode levar a mudanças constantes de direção.

A "Flight" chega com a intenção de mudar isso, graças a um design considerado revolucionário pela marca. Com a tecnologia AerowSculpt, a nova bola da Nike oferece um benefício mensurável de 30% mais precisão de voo quando comparada ao modelo Nike que a antecedeu e, assim, resolve problemas de estabilidade de aerodinâmica.

A configuração dos gomos também causa impacto sobre a trajetória da bola. A "Flight" tem uma estrutura de quatro gomos soldados a calor, com 40% menos costuras rígidas do que uma bola tradicional de 12 gomos. Esse sistema garante pontos ideais para toques de desempenho superior.

Por último, um elemento adicional de design surge com a nova utilização da tinta 3D Nike ACC (sigla em inglês para "controle em qualquer condição"). Apresentada pela primeira vez em 2014, a tecnologia ajuda a garantir uma melhor firmeza tanto em tempo seco quanto debaixo de chuva. A "Flight" usa o desenho da tinta 3D para imprimir "microabas" estratégicas ao lado da tecnologia, com base em princípios aeroespaciais que melhoram ainda mais a estabilidade aerodinâmica.


Notícia Nike Flight bola futebol aerodinâmica estratégia marketing tecnologia mercado Premier League Serie A Brasileirão Libertadores