A DFL, liga alemã de futebol e responsável pela gestão da Bundesliga, tem negociado com a Sky para manter o pagamento dos direitos de transmissão das duas primeiras divisões do futebol alemão, paralisadas desde a metade de março por conta da pandemia do coronavírus.

LEIA MAIS: Pandemia força Bundesliga a ampliar suspensão até 30 de abril

LEIA MAIS: Clubes alemães da Champions doarão € 20 milhões a menores

LEIA MAIS: Jogadores de Bayern e Dortmund reduzirão salários em 20%

Segundo o site SportBusiness, o contrato da Sky, que é válido desde 2017/2018 e será até 2020/2021, prevê que não haverá pagamento quando não houver jogos da Bundesliga. Pelo acordo, a emissora tem o direito de transmitir 266 partidas exclusivas da primeira divisão e todos os 306 jogos da segunda divisão por temporada.

Foto: Reprodução / Twitter (@DFL_Official)

Ainda sem ter uma definição do que acontecerá com o torneio, a DFL tenta manter a verba para os clubes com a intenção de gerar um impacto menor nas finanças, especialmente dos menores. O bom relacionamento com a Sky, iniciado em 1991 quando a emissora ainda era chamada de Premiere, é um fator considerado essencial pela liga alemã.

"Estamos em constante diálogo com nosso parceiro de longa data, a DFL, especialmente no que diz respeito à situação atual da Bundesliga e da Bundesliga 2. Estamos discutindo ativamente soluções construtivas, inclusive para pagamentos de licenças e seu prazo potencial", afirmou a Sky Deutschland, em entrevista ao site.

Além da Sky, a plataforma de streaming DAZN também possui direitos de transmissão da Bundesliga em território alemão. O serviço adquiriu os direitos como parte de um amplo contrato com o Eurosport, pertencente ao grupo Discovery, que adquiriu o pacote de transmissão de 40 jogos da temporada na última licitação. Ainda há acordos que envolvem os melhores momentos das partidas com o próprio DAZN e também com a emissora pública ARD e o canal esportivo fechado Sport1.


Notícia Coronavírus Covid-19 pandemia paralisação futebol DFL Bundesliga Sky direitos transmissão televisão finanças gestão mercado