arquivo

Análise: UFC sofre para se manter no Brasil

por Erich Beting - São Paulo (SP)
A
A
publicidade

Praticamente na mesma época em que Anderson Silva foi pego no antidoping, o UFC anunciava a troca de comando no Brasil. Giovani Decker, ex-Asics, assumia como CEO da liga.

publicidade

Naquele momento, o UFC já via que as coisas, no Brasil, não andavam como o esperado. Eram muitos eventos espalhados sem muito critério pelo país, o que gerava uma queda de público presente nos combates. Da mesma forma, a audiência de TV já não era aquela maravilha toda, o que também significava queda de receita do pay-per-view, razão de ser do UFC.

publicidade
publicidade
publicidade

Pouco antes do doping, Silva já havia ficado um tempo fora do octógono por conta de uma grave lesão, que de certa forma tirou o encanto do torcedor não-fanático por lutas da magia que o UFC parecia fazer despertar.

publicidade

O doping foi a pá de cal na popularização do UFC, após três anos em que o esporte percorreu uma curva ascendente no Brasil, graças a lutadores carismáticos, aumento de arrecadação das pessoas para comprara o PPV e o apoio da Globo na sua divulgação.

publicidade
publicidade
publicidade

Sem ídolos, o UFC já deixou de ter Decker como CEO e, agora, tenta se encontrar com um novo compromisso para a gestão do eventos no país.

publicidade
publicidade

A entrada da IMM é natural, já que mundialmente a IMG comprou boa fatia de participação na liga. Mas será que o problema do UFC no Brasil passa por quem produz seus eventos?

publicidade

A era de ouro de Anderson Silva e cia. parece que não volta mais. E isso é o maior entrave para a liga no país.

publicidade
publicidade

Gabigol lança quadro para celebrar 'aniversário' da Libertadores