arquivo

Análise: Nível de dirigentes no Brasil é uma piada

por Duda Lopes - São Paulo (SP)
A
A

O futebol brasileiro nunca terá liga, organização e nem o mínimo de bom senso caso mantenha o nível atual de alguns dirigentes. Eles não são todos e, ao menos entre os grandes clubes, não são nem maioria. Mas aqueles menos comprometidos fazem um estrago inacreditável.

publicidade
publicidade
publicidade

Não é nenhum exagero. O que aconteceu na reunião da CBF na quinta-feira (24) é uma mostra claríssima de que não existe condição de andar para frente quando não são todos os que têm como prioridade avançar, mesmo que pensem diferente. Encerrar o encontro que votaria a volta de público porque não houve clima para tal é inaceitável. Não são crianças. Ou não deveriam ser.

publicidade

Mas foi isso o que aconteceu. Aliás, o pivô da confusão, o presidente da Ferj, Rubens Lopes, se justificou com a frase "roupa suja se lava em casa". Esse foi seu posicionamento em nota oficial, enviado por assessoria de imprensa. Não foi na hora, de cabeça quente. Ele achou a situação razoável.

publicidade
publicidade

Lopes vem ancorado na diretoria do Flamengo, que insistiu na volta do futebol e hoje insiste na volta dos torcedores. Os dirigentes da equipe querem que cada região resolva os seus problemas em seu momento e pouco se importam com o equilíbrio do campeonato ou com a segurança de seus rivais. Enquanto isso, no elenco do time, mais de uma dezena está contaminada pelo Covid. Não fica claro se o posicionamento do clube tem um forte viés político ou se é pura infantilidade dos mandatários do futebol carioca.

publicidade
publicidade
publicidade

O bom, pelo menos, é que a reunião da CBF deixou claro que esse tipo de dirigente não é maioria. Ao contrário. Aparentemente, a maioria é contra a volta dos torcedores aos estádios. E só devem aceitar os fãs caso todos os clubes tenham a mesma condição. Uma decisão de muito bom senso e que parece ser o mais adequado em termos de esporte e, claro, de saúde pública.

publicidade

O futebol brasileiro parece continuar naquela que parece ser uma lição irretocável: copiar os maus exemplos e ignorar os bons. Alguns dirigentes acreditam que se deve voltar com torcida, como faz a Europa, mas que não se deve lutar por negociação em conjunto por direito de TV, como se faz na maior parte da Europa. A lógica é sempre seguida exclusivamente pelos interesses próprios, sem perceber que são todos sócios de um mesmo produto. Difícil.

publicidade
publicidade

Ingresso virtual vira maior fonte de receita para Comercial-SP