Ao subir o preço da camisa da Chapecoense no dia em que um acidente aéreo com o voo da equipe matou 71 pessoas, na Colômbia, a Netshoes se viu envolvida em uma crise de imagem.

A empresa se apressou em dar uma explicação plausível: o uniforme ainda estava em promoção de Black Friday. Ao esgotar o estoque, o valor voltou automaticamente ao preço praticado normalmente. Apesar da justificativa, houve um inegável arranhão à imagem da empresa de comércio eletrônico, pela falta de precaução em retirar o produto do site tão logo o uniforme se esgotou.

Para não deixar dúvidas de que está solidária com a maior tragédia da história do futebol brasileiro, a loja online promoveu uma bonita iniciativa que irá beneficiar a Chapecoense com uma verba de R$ 1 milhão.

Em parceria com a Umbro, fornecedora de material esportivo da Chape, a ideia é promover a venda do uniforme do time a preço promocional. O montante arrecadado será repassado integralmente ao clube, bem como uma doação de igual valor feita pela Netshoes.

Diante da comoção inicial pela tragédia, várias entidades esportivas, equipes e empresas prometeram ações para ajudar a reerguer a Chapecoense, como empréstimo gratuito de jogadores e ajuda financeira. Até agora, poucas delas se efetivaram.

Ao implementar uma iniciativa dessas, a Netshoes dá uma lição ao mercado ao mostrar que, como empresa, não está preocupada apenas em “livrar a sua barra”, mas que o time mantenha suas atividades.


Notícia Chapecoense Netshoes Chapecoense Tragédia Gestão de Imagem