A MP 984 acelerou e aprofundou, principalmente no futebol, o debate sobre os direitos de transmissão e, consequentemente, a gestão do conteúdo. Até agora, seus efeitos foram limitados aos jogos ao vivo nas plataformas digitais (FlaTV, FluTV e MyCujoo), ao anúncio do Grupo Globo referente à intenção de interromper o contrato do estadual do Rio de Janeiro e aos movimentos nos bastidores do mercado.

LEIA MAIS: Conheça os quatro principais pontos da Medida Provisória 984

Considerando que os principais produtos do futebol brasileiro (Copa do Brasil e Brasileirão) têm compromissos assinados até 2024, os resultados práticos no curto prazo impactarão os campeonatos estaduais e os poucos clubes sem contratos no Brasileirão, casos do Red Bull Bragantino e do Athletico Paranaense (pay-per-view).

Acredito que a MP, da forma como está publicada, terá vida curta, porém será responsável por uma nova realidade nos negócios dos direitos esportivos de transmissão no país. Qual será o novo modelo? Ainda não é possível precisar. As opções caminham para negociação individual, coletiva, por blocos e até por uma liga (a ser criada ou consolidando a Primeira Liga, movimento com clubes das Séries A e B).

As mudanças serão inevitáveis e a nova dinâmica exigirá das lideranças do mundo esportivo mais conhecimento e competência sobre o assunto. Uma janela de oportunidade pode se abrir para executivos com experiência em gestão de conteúdo, plataformas digitais, tecnologia, Inteligência Artificial (IA) e, naturalmente, direitos de transmissão.

Surgirão diversos desafios, mas o principal deve ser a convergência da audiência e do engajamento para aumentar a rentabilidade. O sucesso dependerá da força dos clubes e das entidades no processo de negociação com os variados candidatos a adquirirem os conteúdos (nacionais e internacionais).

O NBB mostrou que a distribuição multiplataforma é viável no Brasil, principalmente quando há um plano de médio e longo prazo. O futebol é um negócio bilionário, com investimentos expressivamente maiores. Por isso, deverá mapear os riscos e o potencial de todas as oportunidades, não se limitando aos jogos ao vivo. Será um jogo de xadrez no qual as emoções devem ser substituídas pela razão, pelos números e por uma boa estratégia. Quem não se preparar pode perder muitas peças e colocar o Rei (conteúdo) em situação de xeque-mate.


Notícia Mídia direitos transmissão disrupção futebol MP 984 gestão estratégia mercado conteúdo marketing