Aos poucos, o esporte ao redor do mundo começa a retornar às atividades. Mas com a presença constante do Covid-19 e o risco de novas ondas de contaminação, os eventos em sede única aparecem como solução, um modo de evitar viagens e estabelecer um protocolo único nos eventos.

LEIA MAIS: Análise: Brasil parece ter desistido de união

Na última semana, a Uefa foi a mais recente gigante entre as entidades esportivas a anunciar a adoção da medida para que competições possam ser finalizadas. A Champions League terá as fases de quartas de final, semifinal e final disputadas em jogos únicos. Todas as partidas serão realizadas em Lisboa, durante o mês de agosto. Dois estádios serão utilizados: o da Luz, palco do Benfica e onde acontecerá a final do torneio, e o José Alvalade, casa do Sporting.

Estádio da Luz, em Lisboa, receberá final da Champions League pela segunda vez em sete anos (Foto: Reprodução / Twitter (@SLBenfica))

A Europa League tomará um caminho parecido, com o mesmo formato de competição e partidas únicas a partir das quartas de final. Os jogos, no entanto, não estarão concentrados em uma cidade, mas em um país. A Alemanha será palco do torneio, com eventos em Colônia, Duisburg, Dusseldorf e Gelsenkirchen.

Até no Brasil o formato de sede única será adotado. Também na última semana, a Liga do Nordeste e os clubes decidiram adotar a medida por receio à condição do Covid-19 na região. Agora, caberá à Confederação Brasileira de Futebol (CBF) determinar as melhores datas e a cidade para receber os jogos. Fortaleza (CE), Salvador (BA) e Recife (PE) concorrem à vaga.

No futebol, a decisão por uma sede única já havia sido tomada pela MLS, a liga dos Estados Unidos. As partidas da competição serão todas realizadas no ESPN Wide World of Sports Complex, local dentro da Disney, na Flórida.

O complexo da ESPN foi escolhido ainda pela NBA, que também concentrará todos os jogos da fase eliminatória do torneio de basquete no local. As duas ligas poderão concentrar seus atletas nos restaurantes, hotéis e campos do centro de treinamento da Disney, a fim de amenizar a possibilidade de novas contaminações.

Mas até mesmo esportes que não são coletivos e que a possibilidade de sede única parece mais remota têm usado essa possibilidade. O tênis, por exemplo, concentrará os torneios masculinos e femininos de Cincinnati e do US Open no complexo do Grand Slam, em Nova York.

No esporte sobre rodas, também têm sido planejadas corridas em um mesmo local. Os circuitos de Spielberg, na Áustria, e Silverstone, na Inglaterra, terão duas etapas seguidas da Fórmula 1 cada um. Medida ainda mais drástica será vista na Fórmula E, que usará a mesma pista em Berlim, na Alemanha, para seis provas em nove dias. Por último, na MotoGP, também haverá pelo menos cinco "rodadas duplas", com sete das 13 provas confirmadas até o momento estão marcadas em circuitos espanhóis.


Notícia Esporte sede única gestão estratégia marketing saúde segurança pandemia coronavírus